Por que a perda auditiva no idoso não pode ser ignorada?

A perda auditiva decorrente do envelhecimento ocorre de forma lenta e progressiva. Caracteriza-se por uma diminuição da capacidade de ouvir principalmente sons mais agudos (finos), frequências muito importantes para compreender bem a fala.

A perda auditiva no idoso é uma das incapacidades com maior impacto na sua vida diária, pois dificulta a comunicação com o ambiente. O problema é que existe uma grande dificuldade de aceitação dessa incapacidade por parte da família e pelo próprio idoso. E uma perda auditiva se não for diagnostica e reabilitada poderá gerar outros comprometimentos.

Muitos estudos demonstram que o idoso com dificuldade para ouvir tende ao isolamento social, perda de autonomia, desenvolve sintomas depressivos, acelera declínio cognitivo e tem maior probabilidade de desenvolver demências.

Os sinais de uma perda auditiva muitas vezes não são claros no início, o que leva o idoso ou familiar a perceberem o problema somente depois de alguns anos. Porém, alguns sintomas importantes podem ajudar a reconhecer a perda de audição decorrente do envelhecimento:


- Dificuldade em entender uma conversa, especialmente em ambiente ruidoso. Em um restaurante, por exemplo;

- Dificuldade em entender conversas ao telefone;

- Pedir muitas vezes para repetir o que foi dito;

- Precisar aumentar muito o volume da televisão ou do rádio;

- Dificuldade em localizar a direção de um som;

- Dificuldade em ouvir o toque da campainha ou do telefone;

- Dificuldade em ouvir o canto dos pássaros;

- Ter a sensação de que as pessoas parecem estar murmurando ou não falam claramente quando conversam.


Se o idoso apresentar dois ou mais desses sintomas, ele deverá ser avaliado por um médico otorrinolaringologista que irá solicitar exames específicos como: audiometria e imitânciometria, realizados por um fonoaudiólogo. Após constatada a perda auditiva, na maioria dos casos será recomendada a reabilitação por meio de aparelhos de amplificação sonora ou próteses auditivas, que é a medida efetiva e fundamental para a manutenção da função social do idoso e deve ser proposta precocemente durante o curso evolutivo da perda auditiva.



Fonoaudióloga Carla Tonelini




Carla Fonseca M. Tonelini

CRFa: 2-17.539

Fonoaudióloga na Clínica Viva Audio

Graduação em Fonoaudiologia - USP

Aprimoramento em Audiologia Clínica e Ocupacional - CEFAC

Especialização em Audiologia - UNIFESP

Mestrado em Distúrbios da Comunicação Humana - UNIFESP




#audição #idoso #envelhecimento #perdaauditiva #prótesesauditivas

Postagens recentes
Arquivo
Assuntos
No tags yet.